Tender Prey – 25 anos depois. Clássico???

Lembro-me quando meu amigo Pedro me apresentou esse disco. Que cara esquisito na capa, um olhar de serial killer pronto para esfaquear qualquer cidadão a qualquer minuto, talvez por conta disso pensei em ouvi o disco e logo indaguei: – Deve ser bom.

O disco ficou lá em casa 3 dias e não tinha coragem de escuta-lo, será que estava com medo? Olhava aquele rosto olhando para mim, quase sorrindo, como costeletas, roupa preta, camisa vermelha e com anéis; Em que mundo estou adentrando?

Veio um dia de cachaça la em casa, meu pai foi fazer uma cirurgia em São Paulo. Dois amigos (Pedro e Barreto) foram lá em casa dar um suporte (Zona Total, festas,  mulheres e rock n roll).

Com um som de meu pai tinha, um National modelo Ss. 8000, o disco Tender Prey urrava no ultimo volume e, repetidas vezes, a música “The Mercy Seat” urrava nos ouvidos mais sensíveis dos vizinhos da QE 30 conjunto J no Guará II. Um dos vizinhos, chamou-me no canto e com um olhar de preocupação indagou:  “Filho, vc está usando drogas? Se não está, seus amigos estão”, como não rir? Na chegada de meu pai de sampa a novidade foi essa para ele: Os  meus amigos drogados escutando uma música esquisita com as caixas acústicas no ouvido e jogados no chão. Ele nem ligou, apesar disso eles tinham moral lá em casa.

Naquela época era fanático por Smiths, Joy Division, Sisters of Mercy e Echo and the Bunnyman, estava no inicio do conhecimento profundo alternativo, ainda não estava preparado para aquele som psicodélico industrial daquela música e nem para aquele olhar de assassino deste tal de Nick Cave, na minha opinião era o Homem das Cavernas.

O disco ficou lá em casa por mais 2 semanas, depois da volta de meu pai, olhei para ele e me convenci em devolve-lo para o Pedro, afinal, que disco esquisito da porra. O peguei o vinil e já ia pela porta saindo para entrega-lo, entrei no carro e me deu um estalo – Nem escutei o disco, vou tentar novamente, tem várias músicas nele –  Não o devolvi. Imagem

No mesmo dia, a noite, coloquei o disco no prato do National, escutei ele inteiro, sem interrupções, calmamente no sofá da sala. Bingo, achei o disco muito bom. Gostei tanto de “Mercy” que me rendi ao disco, “Deanna” era divertido, “The Mercy Seat” era um puro som de violino.

É um disco difícil, confesso, mas é um disco memorável de um artista memorável. Comparo sempre: Nick Cave ou é aclamado ou a expressão “Que porra é essa?” é acionada.

“City of refuge” é uma musica de abraçar os amigos bêbados e dançar conga. “Slowly goes the Night” de dormir pensando nos amores do passado, por acaso, essa foi uma das prediletas do meu pai. Ficávamos escutando som na sala, vendo jogo ou até jogando cartas, comentávamos os sons de cada um (me arrependo tanto de não ter mais jogado cartas com meu pai).

Voltando ao disco, sim, ele é um clássico do Post-Punk, ouça “Deanna” e diga que não tem vontade de pular.

NICK CAVE AND BAD SEEDS LOVE LETTER – Nova do Nick – vídeo do dia

Parece meio brega o título e tal.. mas Nick Cave consegue tornar coisas inacreditáveis em inacreditávelmente lindas…

LOVE LETTER

I hold this letter in my hand
A plea, a petition, a kind of prayer
I hope it does as I have planned
Losing her again is more than I can bear
I kiss the cold, white envelope
I press my lips against her name
Two hundred words. We live in hope
The sky hangs heavy with rain

Love Letter Love Letter
Go get her Go get her
Love Letter Love Letter
Go tell her Go tell her

A wicked wind whips up the hill
A handful of hopeful words
I love her and I always will
The sky is ready to burst
Said something I did not mean to say
Said something I did not mean to say
Said something I did not mean to say
It all came out the wrong way

Love Letter Love letter
Go get her Go get her
Love Letter Love letter
Go tell her Go tell her

Rain your kisses down upon me
Rain your kisses down in storms
And for all who’ll come before me
In your slowly fading forms
I’m going out of my mind
Will leave me standing in
The rain with a letter and a prayer
Whispered on the wind

Come back to me
Come back to me
O baby please come back to me

CARTA DE AMOR
Tenho esta carta na minha mão
Um apelo, um pedido, uma espécie de oração
Espero que ele faz como eu planejei
Perdê-la novamente é mais do que posso suportar
Eu beijo o envelope, branco frio… Ver mais
Eu aperto meus lábios contra o seu nome
Duas centenas de palavras. Vivemos na esperança
O céu paira pesado com a chuva

Carta de Amor Carta de Amor
Vai buscá-la ir buscá-la
Carta de Amor Carta de Amor
Vai dizer a ela Vá dizer a ela

Um vento mau chicotes até o morro
Um punhado de palavras de esperança
Eu a amo e sempre amarei
O céu está pronto para estourar
Disse algo que eu não quis dizer
Disse algo que eu não quis dizer
Disse algo que eu não quis dizer
Isso tudo saiu da maneira errada

Carta de Amor Carta de Amor
Vai buscá-la ir buscá-la
Carta de Amor Carta de Amor
Vai dizer a ela Vá dizer a ela

Chuva seus beijos para baixo em cima de mim
Chuva seus beijos no tempestades
E para todos aqueles que vieram antes de mim vai
Em sua forma lentamente sumindo
Eu vou sair da minha mente
Vai me deixar em pé
A chuva com uma letra e uma oração
Sussurrou ao vento

Volte para mim
Volte para mim
O bebê, por favor volte pra mim